Fotos: Andrea Testoni

Unir meio ambiente à alimentação e ao projeto pedagógico da escola: este ano, a diretora Judy Galper viu a horta da EDEM, que já era um sonho antigo, nascer. Há pelo menos dois anos, ela queria tornar a enorme área verde da escola que fica atrás da quadra numa possibilidade concreta de produção de alimentos e de colaboração ao meio ambiente. E hoje ela tem orgulho de dizer que a horta está ficando cada vez mais caprichada para receber as turmas e tem até sistema de coleta de água da chuva. Ela conta essa história aqui para a gente:

Entrevista/Judy Galper
Como foi o início do processo?

– A gente fez um trabalho gigantesco para tornar produtiva a área da horta. Desde 2017, estamos limpando todo o terreno, retirando resíduos e peneirando toda a terra. Fizemos um platô para deixar o acesso seguro para os alunos e as alunas. Chamamos o Lucas, que é de uma cooperativa de pequenos produtores, para adubar e cuidar da irrigação da área da horta. Ele vem periodicamente e já trabalhou com algumas turmas no plantio.

E o processo de coleta de água da chuva, como que funciona?

Mostramos um vídeo de coleta de água da chuva para o Zé, nosso funcionário há décadas e que trabalha com instalações, obras etc. Dissemos que queríamos fazer exatamente isso na EDEM e ele pegou o jeito. Hoje temos nosso sistema de coleta de água da chuva, com cinco toneis de 1000 litros. A coleta dessa água vem das calhas da quadra, passam por dois processos de filtragem. Fizemos um sistema de gotejamento que gira o tempo todo e deixa a horta sempre irrigada. E montamos uma composteira acoplada à horta.

A produção da horta, como está?

Fizemos uma primeira coleta de couve e de banana e temos feito de folhas. As grupadas do Horário Extensivo participaram desses momentos e comeram o que colheram no dia. Saíram da horta e levaram os alimentos para a cozinha. Também trabalhamos a questão dos restos de alimentos – as cascas limpas vão para a composteira e voltam para a horta em forma de adubo. Assim conseguimos mostrar às turmas o ciclo completo do alimento.

No ano que vem, a ideia é levar mais turmas, de diferentes segmentos, à horta?

Sim! Percebemos que a horta pode ser trabalhada com diversas faixas etárias e abre um campo de estudo com um leque enorme de possibilidades. Desde uma ida dos mais novos para observar as formigas e minhocas, por exemplo, à alimentação saudável, que é estudada no 1º ano do Ensino Fundamental. Ou aos tipos de solo, que são vistos no 2º ano do mesmo segmento. E, ainda, a Química que está no currículo do Ensino Médio, fase em que os mais velhos podem estudar o pH do solo e ver se a terra está em boas condições para o plantio. Assuntos diversos, como a água que desce por força da gravidade: porque ela goteja? E os agrotóxicos? O que a minhoca faz dentro do solo? Ou seja, com a horta, é possível trabalhar uma infinidade de disciplinas e assuntos como física, química, biologia, botânica, geologia, erosão…

E quais são os ganhos da horta em outras áreas da escola?

Com o sistema de coleta de água de chuva, podemos lavar o pátio e regar as plantas e os jardins da escola com essa água. Estamos muito felizes e em 2020 a horta estará com mais alimentos e esperando as turmas para muitas atividades. É muito bom vê-la cada vez mais verdinha e produtiva!