“Histórias de peixes, iscas e anzois”. Esse é o nome da exposição que alunos e alunas das Oficinas de Artes Visuais dos 1º e 2º anos do Ensino Médio visitaram dia 8, no Paço Imperial, acompanhados da professora Cristina Simões. A proposta da atividade foi mostrar a construção e a evolução das obras de uma artista contemporânea.

A artista plástica Martha Niklaus, autora das obras, estava lá especialmente para receber o grupo e explicou a concepção de seus trabalhos – desde a videoarte, passando pelo ativismo e até instalações. A artista dialoga com diversos grupos como urbanos, rurais, ribeirinhos, carentes, e não gosta da diferenciação entre erudito e popular.

– O meu modo de fazer arte é através do embate, dos questionamentos atuais, das rupturas e do que a gente faz hoje, com o aqui e agora, com o social – diz a artista.

Na obra “Rosáceas”, uma das mais admiradas pelos alunos, Martha agrupou, em fotos, pessoas pela predominância da cor da roupa, em vez de fazer subdivisões por sexo, gênero, cor da pele ou nacionalidade. Nos grupos criados pela artista, os vermelhos, azuis, brancos, amarelos, diferente do que acontece com o critério excludente da cor da pele, a “cor” de cada pessoa é totalmente mutável e dinâmica, já que em um dia a pessoa pode estar de roupa branca e no dia seguinte trocar por uma roupa colorida e mudar para outro grupo.

A visita durou uma hora e Martha acompanhou os alunos em todas as salas da exposição. Ao fim, o grupo aplaudiu e agradeceu à artista. Para a professora Cristina Simões, os objetivos foram alcançados.

–  Através do trabalho de Martha Niklaus, os alunos puderam compreender como se dá o percurso criador do artista contemporâneo, entender o conceito de uma obra de arte e como a arte contemporânea utiliza diversos meios e suportes – explica Cristina.