A emoção esteve presente na quadra da EDEM, durante a formatura do 3º ano do Ensino Médio – a 30ª da história da escola. Por causa da pandemia, a turma não pôde frequentar o último segmento – que começou justamente no início de 2020 – como era previsto e desejado.
Entre os discursos dos professores, muito reconhecimento de que aquela era uma turma muito especial, que precisou entrar na reta final da vida escolar de uma forma totalmente atípica, sem ideia de quando aquilo tudo acabaria. Ninguém sabia. O discurso das oradoras Luisa Costa e Maria Eppinghaus foi carregado de emoção e de sinceridade.
– O Ensino Médio foi um período dificílimo para nós. Os atípicos anos de 2020 e 2021 nos arrancaram grande parte do que esperávamos para o nosso crescimento, tanto como pessoas e adolescentes quanto como coletivo. E, finalmente, 2022. Tivemos que compactar experiências que caberiam em três anos em apenas um, enquanto decorávamos, ou pelo menos tentávamos decorar, fórmulas de ondulação; aprendíamos as gerações do Modernismo e estruturávamos nossas redações. E, no meio disso tudo, mesmo com todas as desavenças, brigas pelo ar condicionado e diferenças, a gente se achou. A gente se juntou. Seguramos uns nos outros para aguentar essa barra e fechar esse ciclo – disse Luisa, em sua fala, que incluiu agradecimentos a todos os professores e todas as professoras.
Joaquim Parreiras, que estudou na EDEM por dez anos e é filho de um ex-aluno, é muito agradecido pela escola:
– Além de a EDEM ter o seu papel principal, uma educação boa pra concorrer nos vestibulares, ela traz uma educação muito focada em criar um sentimento crítico: fazer pessoas refletirem sobre tudo na vida: a vida delas, a dos outros, um sentido maior da sociedade… Ensinar a matéria e trazer pensamento crítico e reflexão – a EDEM faz pessoas que podem pensar por elas mesmas. A gente não decora as coisas, a gente sabe as coisas, a gente sabe como pensar sobre as coisas, a gente sabe que a gente pode trazer a nossa palavra, a gente pode refletir, não existem dogmas. É uma escola muito responsável e eu sou realmente grato por ter ficado aqui até o fim do Ensino Médio – diz ele.
📸 Andrea Testoni